Enchimento de pneus com nitrogénio

A vasta gama de serviços oferecidos pela rede de oficinas Driver Center inclui, entre outros, a insuflação de pneus com nitrogénio (azoto) em vez de ar comprimido, um procedimento que vem sendo usado há alguns anos e que oferece rendimentos superiores. Antigamente, a utilização desse gás estava limitada às corridas de Fórmula 1 e aos aviões.

 

Cabe assinalar que o nitrogénio está presente em cerca de quatro quintos no processo de insuflação com ar comprimido, sendo que outros gases são adicionados em percentagens variadas (oxigênio e dióxido de carbono). Todavia, no processo de insuflação de nitrogénio apenas esse gás, em estado puro, é injetado. O nitrogénio trata-se de um gás inerte, caracterizado pela presença de oxigénio, humidade, dióxido de carbono e quase sem impurezas.

 

Quais são as vantagens da insuflação com nitrogénio face à insuflação com ar comprimido?

  • Assegura aos pneus uma maior resistência em caso de impacto, ou seja, uma probabilidade quase igual a zero de “explodir” (rebentar), graças a um processo mais lento de aquecimento interno. Além disso, o nitrogénio - ao contrário do oxigénio – é um retardante de chamas;
  • Garante a manutenção de uma pressão de insuflação mais estável, mesmo quando a temperatura externa varia. Isto é possível porque as fugas de nitrogénio do pneu são três vezes mais lentas em relação ao oxigênio, devido às suas maiores dimensões;
  • Contribui para manter um alinhamento mais estável e uma maior aderência, além de conferir mais conforto na condução;
  • A baixa taxa de humidade (no nitrogénio não se forma vapor de água), permite que as correias internas do pneu não sejam danificadas, o que ajuda a evitar processos de oxidação e diminui o risco de formação de ferrugem;
  • Aumenta o tempo de vida dos pneus, graças à redução de vibrações e das exigências causadas pelas variações contínuas do volume dos pneus.

Em particular, a insuflação de nitrogénio é recomendada nos meses de verão, durante os quais a capacidade de refrigeração e manutenção de uma temperatura constante do pneu se torna um elemento essencial para garantir um alto nível de segurança. De facto, na estação quente, os pneus são submetidos a um stress térmico elevado devido ao atrito com a superfície do asfalto, que no verão atinge temperaturas muito altas. Com o nitrogénio, as superfícies internas não excedem o nível de proteção térmica e o risco de rotura e de rebentação durante o uso é também reduzido significativamente.

 

Pelo mesmo motivo, não é aconselhável a insuflação dos pneus com nitrogênio durante os meses de inverno, uma vez que o gás reduziria ainda mais a temperatura dos pneus. Durante este período em que a superfície da estrada atinge temperaturas muito baixas e em que os pisos estão frequentemente molhados pela água e pela neve, se a composição do piso do pneu não atingir uma temperatura suficiente, o veículo perderá aderência, em particular quando são atingidas velocidades mais elevadas durante a condução.

 

Entre as consequências indiretas do uso de nitrogénio, destacamos também:

  • A poupança de combustível, que também depende da pressão dos pneus e da resistência ao rolamento;
  • A redução de gases de efeito estufa, graças ao menor consumo de energia;
  • A diminuição do desperdício produzido, pois os pneus atingem uma vida útil mais longa.

Atenção, o especialista não recomendará a utilização de nitrogénio para todos os veículos. Este gás não é recomendado para carros de cilindrada pequena e média; para veículos que circulam quase exclusivamente nas cidades e, portanto, não colocam os pneus em situações de utilização extremas, uma vez que executam viagens a velocidades reduzidas; e para os carros de pequeno tamanho. Estes últimos têm um peso relativamente baixo (embora seja uma medida mínima comparada com os carros com mais cilindrada) e, portanto, uma redução do peso, no que aos pneus diz respeito, tornaria o veículo mais instável durante as curvas.

 

Da mesma forma, é desaconselhável a utilização em pneus que já percorreram um grande número de quilómetros ou que mostram sinais óbvios de desgaste (neste caso, podem ser observadas porosidades na carcaça e até lesões ou cortes profundos), e também em pneus que tenham válvulas danificadas ou deterioradas. Nestas circunstâncias, de facto, o nitrogênio - sendo muito leve - tenderia a sair mais facilmente.

 

Por outro lado, o nitrogénio é absolutamente desaconselhável para veículos pesados que executam trabalhos de construção (ou em pedreiras e minas) pois requerem um contato muito estável e contínuo com o solo.

 

Se visitar uma oficina da rede Driver Center, os pneus da sua viatura serão removidos rapidamente. O seu carro será levantado graças a um elevador mecânico e, assim que os mecanismos internos das válvulas forem removidos, os pneus serão completamente esvaziados.

 

Assim, o ar comprimido usado anteriormente será completamente eliminado (caso queira fazer a troca do gás presente no interior dos pneus). Em seguida, será feito o controlo da pressão e os pneus serão insuflados novamente até que a pressão indicada pelo fabricante no manual de uso e manutenção do seu veículo seja atingida.

Recomenda-se controlar a pressão todos os meses, pois o risco de redução da pressão e do aumento da temperatura é reduzido com a utilização do nitrogênio, mas não completamente eliminado.

 

Uma vez realizada a insuflação, o mecânico indicará a presença de nitrogénio nos pneus colocando tampas coloridas (uma tampa preta, por outro lado, indica a presença de ar comprimido) e um adesivo dentro do veículo (geralmente, na parte interior da porta) que indica a data da insuflação e também da temperatura externa no momento da operação.

 

Como o nitrogênio está maioritariamente presente no ar (78%), se for necessário realizar pequenas recargas nos pneus, as mesmas podem ser feitas através da utilização de ar comprimido, uma vez que essa operação não alterará de forma substancial a sua percentagem.

 

Embora seja uma operação solicitada por muitos clientes, apenas 10% das lojas de pneus italianos prestam este serviço.

 

Visitar as oficinas Driver Center da Pirelli representa, assim, uma segurança extra para que este trabalho seja efetuado no seu carro com experiência e diligência, graças às máquinas do mais alto nível tecnológico que estão presentes nas nossas oficinas. Trata-se, portanto, de uma assistência completa e abrangente que os nossos centros oferecem aos seus clientes.